Gestão estratégica de talentos e o futuro do trabalho

Tempo de Leitura: 3.5 min
gestão estratégica de talentos executivo de negócios liderando reunião com o time por videochamada

A gestão estratégica de talentos está cada vez mais focando esforços sobre as necessidades futuras da força de trabalho.

Vivemos tempos de transformação digital, mudanças de processos, ascensão do trabalho remoto, transformação do mercado de trabalho, das habilidades e competências necessárias para atuar neste mercado tão dinâmico, ágil e volátil.

Ao lado da necessidade de gestão humanizada, especialmente evidenciada com a pandemia, também está o foco em promover uma experiência do colaborador, que atue como um imã dos melhores talentos e faça a recalibragem das skills a serem priorizadas e desenvolvidas no processo de gestão de pessoas. Acompanhe!

O futuro do trabalho e a importância da gestão estratégica de talentos

O mundo do trabalho, ao longo da história, foi impactado por diversas novidades: o vapor, a energia elétrica, a automação, a digitalização. Em todos esses momentos, organizações e profissionais precisaram se adaptar. E no futuro, isso não será diferente.

Fusão de tecnologias, alta conectividade, inteligência artificial: esses são alguns elementos que já estão impulsionando mudanças no planejamento e ações das empresas.

Será preciso preparar ambientes de trabalho e equipes para, cada vez mais, atuarem com o auxílio de novas tecnologias e ferramentas online.

Hoje, já existe diversas soluções para recrutamento e seleção, certificação profissional e treinamento corporativo que utilizam a inteligência artificial para acelerar processos e torná-los mais eficientes. No futuro do trabalho, isso será muito mais comum.

Assim, cabe à gestão estratégica de talentos mapear as mudanças necessárias e lidar com essas tecnologias, extraindo o máximo de benefício delas em combinação com as skills dos colaboradores.

Isso, alinhado a um ambiente de trabalho cada vez mais multigeracional e diverso, resultará em uma maior humanização da gestão de pessoas e em um nível de personalização muito mais sofisticado das políticas, cultura, iniciativas e comunicações do RH.

Podemos perceber que o futuro do trabalho vai centralizar a experiência do funcionário, tornando-se um diferencial inestimável, inclusive, para lidar com o "apagão" de talentos. Além disso, ajuda a empresa a permanecer atrativa aos melhores profissionais que impulsionarão o crescimento do negócio no mercado.

5 Soft skills essenciais na performance da força de trabalho do futuro

As empresas em todo o mundo estão percebendo que ter colaboradores qualificados apenas em hard skills (as habilidades técnicas) não é o suficiente para atingirem seus objetivos e a longevidade do negócio.

Por isso, a gestão estratégica de talentos no futuro do trabalho terá um grande foco nas soft skills - as habilidades comportamentais e socioemocionais. Conforme um estudo realizado pelo Fórum Econômico Mundial, em menos de cinco anos, em torno de 35% das competências relevantes na atualidade, serão substituídas por combinações de soft skills.

Dados como esse demonstram como o desenvolvimento/aprimoramento de habilidades e o recrutamento baseado em capacidades distintas serão ainda mais importantes no futuro. Elencamos as 5 principais soft skills que farão diferença nas empresas nos próximos anos:

1. Autoconhecimento e autogerenciamento

Aqui cabe uma citação interessante:

"Conhece-te a ti mesmo." - Sócrates.

O profissional que possui autoconhecimento consegue identificar facilmente e trabalhar suas fraquezas. Além disso, é capaz de ressaltar suas forças para o mercado, utilizando-as a favor de sua produtividade e desempenho.

Por outro lado, a soft skill de autogerenciamento será fundamental para tempos em que o trabalho remoto e modelos híbridos se tornarão mais comuns. Em combinação com o autoconhecimento, garante a melhor performance do time e, como consequência, resultados positivos para a empresa.

2. Adaptabilidade

Em um mundo tão volátil, dinâmico, ágil e mutável, os profissionais precisam ter domínio para se adaptar rapidamente às novas tecnologias, metodologias e necessidades competitivas das empresas.

O profissional com essa habilidade percebe as mudanças como oportunidades para desenvolvimento e inovação, agregando um valor importante para a corporação.

3. Mente criativa e visão analítica

No futuro do trabalho, muitas atividades manuais e repetitivas serão assimiladas por tecnologias de última geração. Nesse cenário, para otimizar a força de trabalho e trazer diferencial competitivo para a empresa, a mente criativa será cada vez mais indispensável.

Os profissionais da área de marketing e vendas, por exemplo, se voltarão mais para humanizar o atendimento e gerar inovação de atração, o que exige visão analítica do mercado e inteligência estratégica para tomadas de decisão. Portanto, são duas skills totalmente conectadas que se complementam.

4. Aprendizagem contínua

Alinhada às demais habilidades, ser um lifelong learner e estar aberto e disposto a aprender continuamente será algo indispensável para os melhores talentos.

Afinal, para se adaptar às mudanças, se preparar para riscos e desafios, será preciso aprender novos conhecimentos para adquirir habilidades estratégicas ou se requalificar para as demandas do mercado.

5. Pensamento crítico e analítico

O profissional analítico é capaz de interpretar criticamente dados e contextos para gerar insights a partir disso. Em um futuro com alta competitividade, a análise preditiva pode ajudar a prever cenários de riscos e potenciais oportunidades.

Em tempos de Big Data e geração extensiva de grandes volumes de dados a partir de inteligência artificial e Internet das Coisas (IoT), essa será uma soft skill essencial para qualquer equipe de alto desempenho.

E sua empresa, como está se preparando para os próximos desafios na gestão estratégica de talentos? Aproveite para conhecer 3 soluções corporativas da Pearson Corporate que poderão mudar o futuro da sua empresa! 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS